sexta-feira, 22 novembro 2019
Início / Conteúdo / Temporal no Rio deixa mortos, soterra ônibus e destrói, novamente, ciclovia | Brasil

Temporal no Rio deixa mortos, soterra ônibus e destrói, novamente, ciclovia | Brasil

[ad_1]

Pelo menos cinco pessoas morreram, uma está desaparecida e diversas áreas foram destruídas pelo forte temporal que atingiu o Rio de Janeiro na noite desta quarta-feira, 6. A cidade foi colocada em Estado de Crise e a prefeitura decretou luto de três dias. Um dos mortos foi encontrado em um dos dois ônibus atingidos por um deslizamento de terra na avenida Niemeyer, na zona sul, onde fica a ciclovia Tim Maia, que teve mais um trecho destruído com a chuva desta noite. Os ventos atingiram 110 km/h.

Sirenes instaladas nas favelas da Rocinha e Sítio Pai João foram acionadas às 21h48 de quarta-feira, segundo a Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop). Os alertas sonoros pediam para que os moradores desocupem suas casas e se fossem para os pontos de apoio nas localidades. Em entrevista coletiva nesta manhã, o prefeito Marcelo Crivella fez um apelo para que as pessoas evitem sair de casa, principalmente no final da tarde, pois há previsão de mais chuvas nesta quinta-feira. “Temos várias áreas de risco na cidade, o solo está encharcado e pode haver mais quedas de árvore. Peço que as pessoas evitem ficar nestas áreas e deem preferência ao transporte coletivo. E, se puderem, que evitem sair de casa no fim da tarde”, afirmou. O Centro de Operações da prefeitura registrou 170 quedas de árvore e 104 chamados para vistoria em residências. Segundo o órgão, os bairros com maior demanda são Barra da Tijuca, São Conrado, Itanhangá, Freguesia, Rocinha e Vidigal.

Em um dos ônibus atingidos na avenida Niemeyer, uma mulher morreu e outra pessoa está sendo procurada. A via seguia interditada por volta das 10h30 desta quinta.

 

Ciclovia

Pela terceira desde que foi construída, em 2016, a ciclovia Tim Maia teve um trecho que ruiu. Na primeira vez, apenas três meses após a inauguração, uma pessoa morreu. No segundo caso, em fevereiro de 2018, e agora. Crivella se mostrou surpreso quando questionado sobre o assunto: “É impressionante a condição desta ciclovia. Ela foi calculada para uma carga de multidão, de cima para baixo. [Da outra vez], veio uma onda de baixo para cima, e ela se rompeu. Foi feito um novo estudo para o caso de ondas e a precipitação do mar. Por incrível que pareça, desta vez a tragédia veio da montanha, da árvore que caiu, para qual a ciclovia não estava preparada. É impressionante como essas tragédias inesperadas acontecem. Agora, em um novo estudo, teremos que levar em consideração a profundidade e o risco de novos desabamentos de árvores”.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://elpais.com/brasil/2019/02/07/politica/1549542559_653158.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.