sexta-feira, 15 novembro 2019
Início / Conteúdo / O movimento do Comando Vermelho para interferir na campanha eleitoral no Ceará | Brasil

O movimento do Comando Vermelho para interferir na campanha eleitoral no Ceará | Brasil

[ad_1]

Nos últimos anos o Estado se tornou uma das principais linhas de frente da batalha travada entre o Primeiro Comando da Capital e seus ex-aliados do CV, com a ajuda de grupos locais como os Guardiães do Estado e a Família do Norte. Desde 2016 a violência voltou a tomar conta das periferias da região, após um breve período conhecido como a pacificação nas favelas, fruto do acordo de paz entre CV e PCC, que ruiu no final daquele ano.

A ordem para que certos candidatos fossem boicotados nos bairros consta em um bilhete anexado ao pedido da procuradoria. “Existe uma circular atribuída ao CV ameaçando e orientando os moradores de certas comunidades com relação a quais candidatos tem propaganda vedada no bairro”, diz Tahim.

No texto, se lê: “Circular informativa do CV-CE. Viemos por meio desta comunicar que todas as nossas comunidades não venham a aceitar campanha política do partido chamado PROS. Partido esse que apoia o Vitor Valin [deputado federal], capitão Wagner [candidato a deputado], Jair Bolsonaro [PSL, candidato à presidência], entre outros policiais que apoia (sic) todo tipo de conduta antidemocrática contra comunidades carentes”. Mais à frente, o comunicado atribuído ao CV diz que “esses políticos apoiam a ditadura, a tortura e tudo que é contra o povo carente”.

“É fato que estas associações delinquentes, em todo o país, buscam cada vez mais a infiltração no ambiente institucional e político”

O domínio dos territórios onde é feito o comércio de drogas é apenas o primeiro passo do crime organizado, diz Tahim. “A partir do momento em que essas facções ocupam seus territórios, em alguns inclusive o policiamento já não entra, eles começam a ter contornos e pretensões eleitorais”, afirmou. As informações sobre a ação do Comando Vermelho nas eleições foram repassadas à Procuradoria Regional Eleitoral e ao Ministério Público via denúncias anônimas de moradores, e confirmadas por alguns manuscritos de autoria de criminosos.

Indagado se algum candidato está atualmente sendo investigado por ligação com criminosos, Tahim disse que não poderia responder, mas afirmou que “isso já aconteceu em outras eleições” no Estado. Para ele, este tipo de ação de grupos criminosos é uma grande ameaça à democracia. “Na medida em que você tem um grupo armado tolhendo a livre manifestação e o voto de cidadãos, você tem um sério comprometimento das eleições”, diz o procurador. “Este risco existe, tanto existe que fizermos a solicitação [para o envio de forças federais]. Se não acreditássemos na existência do risco não estaríamos solicitando este auxílio”, afirma.

No parecer assinado por Tahim, o procurador destaca que “é fato que estas associações delinquentes, em todo o país, buscam cada vez mais a infiltração no ambiente institucional e político”. Um caso clássico deste tipo de atuação criminosa ocorreu no Rio de Janeiro, quando líderes milicianos se elegeram vereadores e deputados estaduais – atualmente estes grupos fluminenses utilizam testas de ferro nas eleições para minimizar sua exposição.

Além do CV, outra facção é mencionada no ofício enviado pela procuradoria para o TRE: os Guardiães do Estado. Este grupo, criado no Ceará em meados dos anos 2000, é aliado do PCC na região. No documento, o procurador Tahim menciona “a expulsão de dezenas de legítimos beneficiários do programa assistencial Minha Casa Minha Vida no Ceará” de suas residências por criminosos dos Guardiães. O EL PAÍS esteve em alguns bairros onde esse processo ocorreu em março deste ano. Os episódios de violência ocorridos recentemente no Estado, com ataques a prédios públicos e ônibus, também são mencionados pelo procurador para reforçar o pedido de ajuda ao Governo Federal.

Não é a primeira vez que o Estado pede auxílio de forças federais durante o período eleitoral: no pleito de 2016 o Governo Federal já havia reforçado a segurança na capital e outras cidades. “Não é um atestado da incapacidade do Estado de prevenir, mas sim demonstra que precisamos somar esforços nisso. Temos 184 municípios no Ceará, e é preferível que tenhamos Força Federal em cinco para que possamos desafogar o emprego das forças estaduais nestes outros”, conclui Tahim.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/24/politica/1535140182_429456.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.