terça-feira, 18 junho 2019
Início / Conteúdo / “Não aceito resultado diferente da minha eleição”, desafia Bolsonaro na TV aberta | Brasil

“Não aceito resultado diferente da minha eleição”, desafia Bolsonaro na TV aberta | Brasil

[ad_1]

O apresentador perguntou a Bolsonaro, capitão reformado do Exército e cujo vice é um general, se os militares reagiriam no caso de uma vitória eleitoral do petista Fernando Haddad. Bolsonaro respondeu: “Sobre as instituições militares aceitarem o resultado, eu não posso falar pelos comandantes militares. Eu, pelo que eu vejo nas ruas, eu não aceito resultado das eleições diferente da minha eleição. Isso é um ponto de visto fechado”, disse ele no Hospital Israelita Albert Einstein, onde segue internado após um atentado a faca em 6 de setembro. Datena, então, pergunta se a declaração não é antidemocrática e Bolsonaro responde dizendo que não aceita um sistema apenas eletrônico, sem ao menos parte do voto em papel. O candidato conseguiu passar uma lei no Congresso para impor uma cota de votos impressos, mas a exigência acabou barrada pelo Supremo Tribunal Federal.

Não fica claro, na entrevista, em que consistiria, por parte de Bolsonaro, o não reconhecimento dos resultados eleitorais. A estratégia repete a usada por Donald Trump nos EUA –o republicano passou toda a campanha reclamando de fraude, até que venceu e não tocou mais no assunto. Apoiado por cerca de 28% do eleitorado, o candidato tem insuflado a descrença no sistema eleitoral há meses. Grupos que o apoiam pelo WhatsApp fazem circular pesquisas falsas mostrando a vitória do deputado no primeiro turno.

Adversários de Bolsonaro reagiram. “Bolsonaro diz que não vai aceitar a derrota. Mostra mais uma vez que não está preparado para a democracia, quer manter o país dividido. Respeite a decisão popular, candidato”, disse, pelo Twitter, o tucano Geraldo Alckmin.

Em outro momento da entrevista, Bolsonaro disse, em caso de um eventual Governo Haddad, as Forças Armadas poderiam atuar “na primeira falta”. “Poderia acontecer [uma reação] com o PT errando, sim. Nós, das Formas Armadas, somos avalistas da Constituição. Não existe democracia sem Forças Armadas.” Não existe na Constituição brasileira, feita depois que o país deixou para trás 20 anos de ditadura, nenhum dispositivo que preveja a atuação das Forças Armadas em caso de “erros” do Executivo. Os militares devem obediência hierárquica ao poder civil. 

Procurada pela Vejam, a ex-mulher do capitão voltou atrás, e disse que acusações foram “excessos de retórica”

Acusações da ex-mulher, reveladas pela ‘Veja’

A entrevista no programa popular de TV é um encerramento com potencial positivo de exposição em uma semana ruim para a campanha de Bolsonaro. Além do Datena, ele falou ainda na Rede TV, no tour pela TV aberta pouco usual, já que a lei eleitoral brasileira fala em não tratamento privilegiado a nenhum candidato em mídia de concessão pública.

A série de reveses dos últimos dias teve um dos pontos altos na quinta-feira, quando a revista Veja revelou que a ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, o havia acusado de ocultação de patrimônio, recebimento de pagamentos não declarados e do furto de um cofre – além de ter dito que o candidato tem um comportamento “agressivo” – durante o processo de separação do casal. 

Segundo a Veja, as acusações constam em um processo judicial que foi aberto por Valle em 2008 na 1ª Vara de Família do Rio de Janeiro. À época ela e Bolsonaro estavam em meio a uma separação litigiosa. A ex-mulher do candidato à presidência afirmou nos autos que ele recebia “remuneração de militar da reserva, de deputado federal e outros proventos que ultrapassam mais de 100.000 reais mensais”, valor incompatível com a renda do casal. Valle não explica o que seriam estes “outros proventos”, responsáveis por triplicar a renda do parlamentar – cujos vencimentos oficiais somariam 35.300 reais.

Bolsonaro também não explicou. Ele usou sua conta no twitter para reagir à matéria. “Estamos na reta final para as eleições. Mais uma vez parte da mídia de sempre lança seus últimos ataques na vã tentativa de me desconstruir. O sistema agoniza, vamos vencê-lo”, escreveu, sem comentar nenhuma das acusações. “Há anos tentam nos parar com rótulos criminosos falsos e com meias verdades distorcidas”, concluiu. Ao Datena, ele disse: “A minha própria ex-mulher diz que ali mente muita coisa.” Ana Cristina Siqueira Valle, que agora usa o sobrenome Bolsonaro e é candidata a deputada, minimizou as acusações que fez em conversa com a revista.

Ainda segundo informações do documento obtido pela Veja, Bolsonaro declarou à Justiça Eleitoral em 2006, quando disputou vaga na Câmara federal, um patrimônio de 433.934 reais – apenas 10% do valor dos bens informados por Valle no processo com base na declaração do imposto de renda do militar. Ele teria deixado de fora três casas, cinco lotes, uma sala comercial e um apartamento. O professor de direito Eleitoral do Instituto Brasiliense de Direito Público Daniel Falcão afirmou que a prática não constitui crime. “Alguns afirmam que o que o Bolsonaro fez poderia ser enquadrado como falsidade ideológica eleitoral, mas o Tribunal Superior Eleitoral não tem uma jurisprudência consolidada neste sentido”, diz. Na prática, não há uma exigência de que a declaração de bens à Justiça Eleitoral seja condizente com a do imposto de renda.

E a última estocada da ex-mulher no capitão veio na forma de uma acusação de furto: ele teria se apropriado do conteúdo de um cofre onde ela guardava joias e dinheiro em espécie em uma agência do Banco do Brasil, que somava 1,6 milhão de reais em valores atualizados. Valle, que disputa uma vaga de deputada federal pelo Podemos – e usa o nome do ex em seu material de campanha – relativizou as acusações, que segundo ela seriam fruto de “excessos retóricos”. O caso do furto foi arquivado pela polícia no ano passado, uma vez que Valle foi convocada a depor duas vezes, mas não compareceu.

Nas redes sociais os defensores de Bolsonaro se voltaram contra a Veja. Um vídeo gravado pela jornalista e candidata a deputada federal pelo PSL Joice Hasselmann no qual ela fala que um veículo da imprensa teria recebido 600 milhões de reais para prejudicar o capitão na reta final da campanha viralizou. A hashtag Veja600Milhões entrou no trending topics do twitter. Em tempo, Hasselmann não apresentou prova alguma de suas acusações, tampouco falou que a Veja seria a beneficiária.

Ameaças de morte e fogo amigo de Mourão

Mas a reportagem da Veja foi apenas mais um capítulo em uma semana recheada de más notícias para a campanha de Bolsonaro. Dias atrás a ex-mulher do capitão já havia municiado uma matéria da Folha de S.Paulo, publicada na terça-feira, segundo a qual ela teria sido ameaçada de morte pelo ex-marido, e por isso se mudou para a Noruega. O relato da ameaça ficou registrado em um telegrama diplomático de 2011. Posteriormente ela negou os fatos, mas outra matéria do jornal ouviu brasileiros que conviveram com ela em Oslo e confirmaram que ela relatava ameaças.

As notícias ruins que atingiram a campanha esta semana também vieram do círculo íntimo bolsonarista. O capitão novamente se viu alvo de fogo amigo por parte de seu incômodo candidato a vice, o general Hamilton Mourão, que chamou na quinta-feira o 13º salário de uma “jabuticaba brasileira”. Do leito do hospital Albert Einstein veio a resposta do cabeça da chapa: “O 13° salário do trabalhador está previsto no art. 7° da Constituição (…) Criticá-lo, além de uma ofensa à quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”. Esta não foi a primeira vez que Mourão precisou ser enquadrado ao dar declarações desastrosas. Ele já havia dito que casas só com “mãe e avó” são “fábricas de desajustados” para o tráfico de drogas, em um momento no qual a campanha lutava para reverter sua enorme rejeição ante as eleitoras.

Até na evolução de seu quadro de saúde, as notícias não foram boas para o capitão da reserva. Inicialmente havia a previsão de que Bolsonaro recebesse alta na sexta-feira, mas a detecção de uma infecção bacteriana frustrou os planos do capitão. Ele está internado desde o dia 7 de setembro, após levar uma facada em Juiz de Fora durante ato de campanha, e deve deixar até o próximo domingo.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/28/politica/1538156620_841871.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.