sexta-feira, 3 julho 2020
Início / Conteúdo / Muito além do difusor – Geral

Muito além do difusor – Geral

[ad_1]

Direto na pele, como cicatrizante ou rejuvenescedor. Poderoso calmante, espécie de tarja preta natural, quando inalado. Na água ou no chá, ação anti-inflamatória ou imunoestimulante. Os óleos essenciais cumprem papel que vai além de simplesmente perfumar os ambientes em difusores. As propriedades terapêuticas cientificamente comprovadas promovem benefícios físicos, mentais e emocionais.

Referência no Brasil quando o assunto é aromaterapia e aromatologia e proprietário da Laszlo, uma das marcas mais conhecidas (a loja fica no bairro Colégio Batista, Leste de Belo Horizonte), o cientista e aromatólogo Fábián László diz que os óleos essenciais são produzidos pelas plantas com o objetivo de estabelecer conexão com o ambiente.

“Algumas podem não ser aromáticas, caso do milho, cujas folhas não têm cheiro. Ainda assim, produzem substâncias que repelem insetos ou que, quando absorvidas por outras, aumentam o sistema imunológico de todo o ecossistema”, explica.

Após manipulados em laboratório, alguns óleos essenciais tornam-se verdadeiros antídotos contra problemas de saúde. Caso do de limão, que, dentre outras propriedades, ajuda a regular os níveis de colesterol no sangue e a combater a retenção de líquido no organismo. Nos dois casos, o produto deve ser preferencialmente ingerido, sempre sob orientação profissional.

Com propriedade similar à de remédios usados para combater ansiedade, o óleo de lavanda francesa é outra fórmula poderosa e 100% natural. Estudos científicos compararam os resultados produzidos por ele aos de benzodiazepínicos –medicamentos com efeito calmante, mas que, a longo prazo, podem causar dependência

 

COMPROVADO

Segundo Fábián László, somente na Livraria Nacional de Medicina dos Estados Unidos, disponível para consulta virtual, existem mais de 20 mil artigos científicos relacionados às propriedades das fórmulas naturais. “São enormes as quantidades de pesquisas que evidenciam o potencial de ação. Várias, inclusive, realizadas com humanos. São estudos bem definidos que mostram, claramente, a eficácia dos óleos essenciais para diversas finalidades”, enfatiza.

 

AUTENTICIDADE

Tão importante quanto definir a fórmula e o tipo de uso que será feito é atestar a autenticidade do produto escolhido. Extraídos de raízes, caules, folhas, flores ou de todas as partes da planta, óleos essenciais devem ser puros e não simplesmente aromáticos, tampouco sintéticos, explica a aromaterapeuta Izabella Scalabrini Saraiva.

Resultados de fórmulas naturais para sentir na pele

Criador do curso Pele de Pétalas, voltado para a produção de cosméticos terapêuticos 100% naturais, o aromaterapeuta André Ferraz, de Belo Horizonte, afirma que os óleos essenciais são um dos mais poderosos métodos dentre as terapias holísticas. Incluída no rol das práticas integrativas oferecidas pelo SUS, a aromaterapia apresenta resultados sistêmicos, independentemente da maneira como as fórmulas são administradas.

“O benefício dos óleos essenciais não se resume ao aroma que exalam. Não é só isso. Decidi focar na questão da pele e das emoções que são trabalhadas por meio dela, mas um bom profissional é capaz de administrar as fórmulas de diferentes maneiras, alcançando um amplo espectro de doenças. Cientificamente, (a aromaterapia) é uma das terapias holísticas mais completas”, enfatiza.

 

PREFERIDOS

Dentre as fórmulas preferidas dele estão a laranja doce – cujo preço, por 10 ml, gira em torno de R$ 30 – e a bergamota (R$ 80, para a mesma quantidade). Ambas produzem efeito calmante, estimulando a alegria. O especialista ainda cita alecrim, limão, lavanda, hortelã e melaleuca para a lista dos importantes para ter em casa.

O aromaterapeuta também recomenda o uso de uma mistura dos óleos essenciais de lavanda, rosas e gerânio adicionada a uma base vegetal, como os óleos de coco, rosa mosqueta ou abacate. Segundo ele, a receita é boa para pele e cabelo.

Independentemente do tipo de óleo escolhido, o especialista chama a atenção para a forma certa de administrá-los. “Cítricos não devem ser usados na pele exposta ao sol, sob risco de queimadura. Inalações devem ser feitas com uma a três gotas pingadas na palma da mão, a 15 centímetros do nariz, e nos difusores, indico de 15 a 30 gotas”, detalha.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://onorte.net/geral/muito-al%C3%A9m-do-difusor-1.672482

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.