quarta-feira, 20 novembro 2019
Início / Capa / Minas Gerais é estado campeão em mortes e acidentes em BRs

Minas Gerais é estado campeão em mortes e acidentes em BRs

Num país onde as rodovias federais registram 14 mortes a cada dia, Minas Gerais desponta como destaque em um cenário trágico: o estado é campeão em número de mortes e de acidentes nas vias de responsabilidade da União, e se mantém à frente quando o assunto é o custo desses desatres. Os dados constam do Painel CNT de Consultas Dinâmicas de Acidentes Rodoviários, publicação da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgado nesta quinta-feira.
Em números absolutos, as BRs que cortam o estado registraram 7.214 acidentes no ano passado, que resultaram na morte de 693 pessoas. O levantamento foi feito com base em informações da Polícia Rodoviária Federal referentes às ocorrências entre 2007 e 2018. Nesse período, foram registrados 250.140 acidentes, sendo quase metade deles (114.673) com vítimas. Somente em 2018 houve 69.206 desastres, dos quais 53.963 tiveram vítimas. Em praticamente 10% deles (5.269) elas perderam a vida. Nos 12 anos analisados pela CNT, o Brasil teve 1,7 milhão de acidentes nas rodovias federais, sendo 751,7 mil com vítimas e 88,7 mil mortes.
Os dados mostram também que as regiões com os maiores índices de acidentes com vítimas são Sudeste e Sul. São 82 acidentes com mortos ou feridos a cada 100 quilômetros de rodovia federal no Brasil, sendo as BRs 116 e 101 as que mais matam no país – 8.896 e 7.524 registros no ano passado, respectivamente. Se forem consideradas as mortes, essas duas rodovias também permanecem nos primeiros lugares (BR-116 com 649, e BR-101 com 615).
Minas acompanha a média nacional – foram 81 acidentes a cada intervalo de 100 quilômetros de estrada. Se em âmbito nacional a BR-381 está em terceiro lugar entre as que registram a maior quantidade de acidentes no país, nas Gerais ela faz jus ao triste título de “Rodovia da Morte”, que batiza seus quilômetros mais perigosos, entre Belo Horizonte e João Monlevade. Na malha rodoviária federal mineira, ela tem destaque negativo absoluto, com 2.213 acidentes com vítimas no ano passado e 171 mortes. A BR-040, que liga Brasília ao Rio, passando por Belo Horizonte, vem na sequência, com 1.420 acidentes e 130 óbitos.
De acordo com o levantamento, colisão é o tipo mais comum de acidente com vítimas, causados, na maior parte, por automóveis (64,6%). Em Minas, as colisões são responsáveis por 50,3% dos acidentes e 65,3% dos óbitos, indicam as estatísticas da CNT.
O custo anual estimado dos acidentes nas rodovias federais também impressiona: são R$ 9,73 bilhões jogados no asfalto a cada ano. Valores que têm efeito direto nos cofres também do estado campeão das mortes em rodovias – R$ 1,26 bilhão, em 2018 (13% do total dos gastos com acidentes) – o que também coloca Minas na primeira posição do ranking nacional nesse quesito.

Motocicletas

Em território mineiro, o automóvel também foi o tipo de veículo mais envolvido em acidentes com vítimas em 2018 (63,1% do total), seguido das motos (32,7%) e dos caminhões (29,1%). Mas, apesar de representar praticamente a metade do total na distribuição de acidentes, as motos fazem Minas novamente ter números que chamam a atenção no cenário nacional.
Com uma frota de motocicletas que mais que dobrou em um intervalo de 12 anos – passou de 1.149.831 em 2007 para 2.520.486 em 2018, segundo dados do Denatran – Minas aparece em segundo lugar em total de mortes de motociclistas. Foram 120 no ano passado, quase a metade do total de toda a Região Sudeste (255).
Nesse aspecto, o estado fica atrás apenas da Bahia, onde 127 motociclistas morreram no último ano. Quando verificados os acidentes, Minas está em terceiro lugar, com 2.361, atrás de Santa Catarina (3.302) e Paraná (2.575)

Caminhões

Além do painel, a CNT lança ainda o estudo Acidentes Rodoviários com Caminhões. Em 2018, foram 12.631 acidentes com vítimas envolvendo veículos de carga. Eles ocupam a terceira posição entre veículos envolvidos em ocorrências nas rodovias federais brasileiras, com 23,4%, atrás de motos (44,4%) e automóveis (64,6%).
Durante esta semana, o Serviço Social e de Aprendizagem do Transporte (Sest/Senat) também promove ações em todo o Brasil, para sensibilizar, especialmente, os motoristas de ônibus para as regras de segurança no trânsito.
Com informações do UAI.

Veja também...

Limpeza em hospital não extermina bactérias

Uma pesquisa feita no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP), …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.