quinta-feira, 14 novembro 2019
Início / Capa / Julgamento de Bola em júri popular chega ao segundo dia em BH

Julgamento de Bola em júri popular chega ao segundo dia em BH

Julgamento de Bola em júri popular chega ao segundo dia em BH

O julgamento por júri popular do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como “Bola”, um dos condenados pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio, chega ao segundo dia na manhã desta quinta-feira (11), no Fórum Lafayette, no Barro Preto, região Centro-Sul de BH.
Trata-se de júri referente ao homicídio de um motorista no bairro Juliana, na região Norte da capital, há 10 anos. Bola vai a júri juntamente com um comerciante, também envolvido no crime.

De acordo com o Fórum, o debate entre as partes teve início às 9h30 e um intervalo está programado para as 12h. Uma hora mais tarde, os trabalhos serão retomados. A previsão é de que a sentença saia por volta das 19h desta quinta.

O júri popular é presidido pela magistrada Myrna Fabiana Monteiro Souto. Em 2013, Bola foi condenado a 22 anos de prisão pela morte e ocultação de cadáver de Samudio. O crime teria acontecido a mando do goleiro Bruno Fernandes, que também cumpre pena.

Crime passional

Segundo a denúncia do Ministério Público de Minas, o comerciante teria descoberto que sua esposa tinha um relacionamento amoroso com o motorista e decidiu matá-lo. O comerciante teria contratado Bola para executar o crime.

Segundo os relatos nos autos, no dia do crime o motorista caminhava próximo à sua casa no bairro Juliana, quando foi abordado pelo ex-policial, que o cumprimentou para se certificar de sua identidade, atirou e fugiu em seguida.

O comerciante, que teria encomendado o assassintao, e o ex-policial, que teria executado, foram denunciados por homicídio duplamente qualificado, mediante promessa de recompensa e com dificuldade de defesa para a vítima.

De acordo com Ércio Quaresma, advogado de Bola, seu cliente nega a autoria do crime. “O caso se baseia no relato de uma testemunha inocular, que padece de problema oftalmológico e diz que reconheceu o meu cliente à noite. A testemunha identificou o assassinao como um homem branco de 1,80m, mas o meu cliente tem 1,70m”, explica o advogado. “O Bola mesmo falou na época que todo ‘cachorro’ seria colocado na conta dele. E é o que está acontecendo, pois não há provas contra ele”.

(Com Cinthya Oliveira)

Com informações do Hoje em Dia.

Veja também...

Clima de deserto; calor em Minas Gerais bate recorde

O tempo seco bate recorde em Belo Horizonte, o clima de deserto domina regiões do estado e o fantasma …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.