quinta-feira, 21 novembro 2019
Início / Conteúdo / Há 50 anos: Atlético virou Seleção Brasileira, venceu Iugoslávia e quase teve Garrincha – Esportes

Há 50 anos: Atlético virou Seleção Brasileira, venceu Iugoslávia e quase teve Garrincha – Esportes

[ad_1]

A relação entre Atlético e Seleção Brasileira é ligada por um capítulo de honra ao torcedor alvinegro com a vitória diante das “Feras de Saldanha” em 1969. Um ano antes, há exatos 50 anos, porém, o Galo se vestia de Brasil para derrotar a forte Seleção Iugoslava por 3 a 2. Foi a última vez que um time de futebol representou 100% a equipe canarinho.

O feito do Atlético teve grande valor à época por dois motivos. O primeiro foi o fato de a Iugoslávia ter empatado em 3 a 3 contra a Seleção de Pelé, Tostão e Rivellino dois dias antes, no Maracanã, colocando o fim da Comissão Selecionadora Nacional no qual o cabeça era Aimoré Moreira. O segundo é pela força da própria Iugoslávia. Eram os atuais vice-campeões da Eurocopa 1968, em junho. Perderam o título pra Itália, que seria vice-mundial dois anos depois justamente perante o Brasil.

Reprodução/Jornal do Brasil 

Recorte - Jornal do Brasil

Com gols de Vaguinho, Amauri e Ronaldo Drummond – primo do craque Tostão -, a equipe alvinegra, que naquela tarde se vestiu de branco, amarelo e azul, era comandada por Yustrich e por muito pouco, não recebeu um reforço místico. Nove dias antes deste encontro internacional no Mineirão, o Atlético recebeu o Flamengo no mesmo palco num amistoso para homenagear a carreira de Garrincha.

O “anjo das pernas” tortas, já em fim de linha no futebol, era o grande reforço Rubro-Negro na temporada. Homenageado pelo próprio estádio com placa de bronze e pelo governador Israel Pinheiro, o bicampeão mundial foi convidado a integrar o time do Atlético para encarar a Iugoslávia. 

Entretanto, tudo dependia do Flamengo, clube no qual Garrincha tentava retomar o sucesso no futebol, mas que foi só mais um capítulo do triste fim de vida do jogador marcado pelo vício no álcool. “Um jogo internacional agora, ainda mais contra a Iugoslávia, uma das boas seleções da Europa, seria uma grande experiência e retomada de contato para mim”, afirmou o ponta-direita, ao Jornal do Brasil, na véspera do amistoso Galo 2×2 Flamengo, em 10 de dezembro.

Garrincha não voltou a usar as cores preto e branca que o imortalizaram no Botafogo. Em contraponto, acabou ganhando um prêmio no fim de 1968 por ser o destaque do esporte brasileiro da temporada. O Atlético, por sua vez, utilizou só atletas do clube. E, curiosamente, dois deles já haviam defendido a Seleção. O zagueiro Djalma Dias, pai do ex-meia Djalminha, entrou no segundo tempo. Amauri Horta, que fez um dos gols, havia disputado a Copa América (Campeonato Sul-Americano) de 1963 como jogador do Comecial-SP, recém-vendido pelo América.

FORÇA SOCIALISTA

A Iugoslávia ficou extinta no mapa e também no futebol. Seus netos, hoje, são vice-campeões mundiais com a camisa da Croácia, cujo o destaque, Luka Módric, é o atual melhor jogador do mundo. O time de 1968 vinha de um grande feito, também. Perdeu a final da Eurocopa por 2×1 no agregado pra Itália.

Entretanto, dos 22 jogadores que integravam aquele elenco, apenas sete enfrentaram o Atlético – Aleksic, Povlovic, Paunovic, Holer, Musemic, Belin e Acimovic. O principal deles, o artilheiro Dragan Džajić, enfrentou o Brasil no Maracanã – fazendo Carnaval na defesa que seria tri-mundial – mas foi poupado no Mineirão. Džajić, inclusive, fez parte da Seleção da Fifa que enfrentou o Brasil e foi derrotada por 2×1 no Maracanã, em 6 de novembro. 

ERA SALDANHA

A Seleção Brasileira, cujo o grande dirigente era Paulo Machado de Carvalho, o Marechal da Vitória, tinha uma comissão de técnicos para definir as escalações, além de um um dirigente do Vasco. Aimoré Moreira é quem ficava no banco de reservas, mas a lista de convocados ainda tinha interferência de Zagallo, Evaristo de Macedo e Osvaldo Brandão. O empate no Maracanã (veja o vídeo acima) fez a ideia ser rasgada do papel. Depois de o Atlético, usando o escudo da CBD, encerrar o calendário do Brasil em 1968, João Saldanha era anunciado como o treinador do time nacional para as Eliminatórias da Copa de 1970. 

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://www.hojeemdia.com.br/esportes/h%C3%A1-50-anos-atl%C3%A9tico-virou-sele%C3%A7%C3%A3o-brasileira-venceu-iugosl%C3%A1via-e-quase-teve-garrincha-1.680491

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.