segunda-feira, 21 outubro 2019
Início / Conteúdo / Festival de Brasília atesta força do cinema mineiro – Almanaque

Festival de Brasília atesta força do cinema mineiro – Almanaque

[ad_1]

 

Um dia após subir ao palco do Cine Brasília para receber o troféu de melhor filme por “Temporada”, no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o diretor André Novais Oliveira mal teve tempo para comemorar, às voltas com um projeto para enviar para um edital. “Chegamos (a Belo Horizonte) e já fomos trabalhar. O troféu está na produtora agora”, avisa.

 

E trabalho é a melhor maneira para definir o momento atual do cinema mineiro, que saiu de Brasília com vários Candangos embaixo do braço. É a terceira vez consecutiva que a produção mineira ganha o principal prêmio no festival. Os outros dois foram “A Cidade Onde Envelheço”, de Marília Rocha, e “Arábia”, de Affonso Uchoa e João Dumans.

 

“O que creio ser relevante notar nesses três casos é como os filmes são a culminação de um processo de amadurecimento e constante produção não apenas dos indivíduos que dirigiram os filmes, mas também dos grupos e universos onde estão inseridos (as produtoras Teia e suas ramificações, Katasia e Filmes de Plástico)”, destaca Eduardo Valente, curador do Festival de Brasília.

 

Ele sublinha que “esse tipo de trabalho que já chega a quase ou mais de dez anos, nos três casos, representa um esforço constante de evolução impossível sem políticas públicas sistemáticas –note a presença essencial do Filme Minas na carreira de todos– e de uma inteligência de percepção e trabalho junto com os pares internacionais”. 

 

Muitos prêmios

A presença minera “explodiu” na telona do Festival, com filmes autorais e provocativos. Além do prêmio de melhor filme, “Tempor<CW0>ada” foi agraciado com os troféus de melhor atriz (para a mineira Grace Passô, também importante dramaturga) e ator coadjuvante (Russão). A produtora Filmes de Plástico, pro sinal, é uma velha habitué do festival. 

 

Coprodução com Pernambuco, “Conte Isso Àqueles que Dizem que Fomos Derrotados”, de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo e Pedro Maia, feito durante ocupação em BH, levou o de melhor curta. Nesta categoria, também se destacaram “Mesmo com Tanta Agonia”, de Ana Alice Drummond, e “Plano Controle”, de Juliana Antunes. 

 

Novais aponta o aumento da produção e o surgimento de cursos livres e de graduação também têm papel relevante neste momento efervescente. “Em comum, há uma pegada autoral, mas ao mesmo tempo é bem diverso, com vários tipos de filmes”, analisa o cineasta, que deverá lançar “Temporada” no circuito comercial no primeiro semestre de 2019.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://www.hojeemdia.com.br/almanaque/festival-de-bras%C3%ADlia-atesta-for%C3%A7a-do-cinema-mineiro-1.658426

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.