quarta-feira, 23 outubro 2019
Início / Conteúdo / Dirigente do Cruzeiro explica escolha por gestão direta no futebol feminino: ‘controle maior’ – Esportes

Dirigente do Cruzeiro explica escolha por gestão direta no futebol feminino: ‘controle maior’ – Esportes

[ad_1]

O Cruzeiro apresentou de forma oficial na última quarta-feira o seu elenco e comissão técnica do time feminino, que é uma nova estrutura dentro do organograma institucional do clube. Para cumprir exigência da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que segue normas das entidades superiores (Conmebol e Fifa), a diretoria celeste poderia firmar parceria com uma equipe já existente e apenas usar o escudo do clube no uniforme, ajudando a fomentar o parceiro.

Entretanto, a diretoria estrelada se antecipou ao que deve ser em breve uma futura regra de quem comanda o esporte: de que o futebol feminino seja completamente um braço do clube e não apenas uma parceria entre duas agremiações.

“Existe a necessidade de investimento tanto se o trabalho for interno ou terceirizado, em parceria. Como a partir do ano que vem a CBF sinalizou a obrigatoriedade de a gente manter a equipe de forma direta, o Cruzeiro se antecipou e em vez de fazer parceria neste ano, optou por fazer de forma direta já neste primeiro momento”, explicou o gerente de futebol Marcone Barbosa.

O dirigente também explicou a diferença entre gerir internamente o próprio time feminino e repassar a gestão da equipe a um parceiro, como alguns clubes da Série A do futebol brasileiro optaram.

“Quando você faz o trabalho de forma direta tem a capacidade de controle maior, autonomia maior para decidir sobre as situações. E o escudo do Cruzeiro é muito pesado, é importante ser bem tratado, e por isso o clube optou por fazer já neste momento (concepção do time feminino) de forma direta e acompanhar mais próximo essa situação, em função de ser uma modalidade nova, algo que está iniciando, uma realidade nova no futebol brasileiro. Pelo que a gente tem acompanhado até agora, uma situação que tem tudo para ter evolução, ter mais apelo do torcedor, da mídia”, analisou Barbosa.

Dicotomia de terceirizações

O Cruzeiro tem uma parceria que gere o projeto do vôlei há dez anos de forma terceirizada, e colhe frutos e títulos com isso. O clube cede sua marca, estrutura física e o apoio do seu torcedor para fortalecer ainda mais o Sada Cruzeiro. Entretanto, outra terceirização não deu muito certo e gerou dor de cabeça para a atual diretoria.

Após encerrar o acordo com o BH Eagles – que geria o time de futebol americano celeste – e assinar com outro grupo, o projeto dessa modalidade acabou desandando. Foram tantos erros administrativos, inclusive com punições do Tribunal de Justiça Desportiva, que ficou inviável tocar o projeto.  

Gestão direta

Além do Cruzeiro, Corinthians, CSA, Grêmio, Internacional, Santos, São Paulo e Vasco montaram equipes femininas independentes, ou seja, vão gerir o próprio projeto.

E o Cruzeiro optou por assinar a carteira de trabalho das atletas, o que também gera custo e aumenta o orçamento da modalidade. A equipe celeste gastará mais de R$ 1 milhão para tocar o projeto.

O “investimento básico é em torno de R$ 1 milhão. O Cruzeiro está buscando parcerias, patrocinadores. E a medida que houver essa captação o investimento pode aumentar sim. A ideia do presidente é fazer uma equipe com condições de disputar o título da Série A2, e para disputar títulos é como no futebol masculino, é preciso investimento. O Cruzeiro vai aumentar esse investimento assim que tiver o incremento de patrocinadores”, comentou Marcone Barbosa. 

Fidelização e mais engajamento com a torcida

Em entrevista recente, a gestora do projeto de futebol feminino do Cruzeiro, Bárbara Fonseca, falou sobre a diferença de ter um time “sangue puro” em relação ao terceirizado. 

É diferente quando se tem um projeto ligado diretamente ao clube. Claro que é importante ver o futebol feminino crescer, até mesmo pelas parcerias, mas um projeto completamente ligado ao clube fideliza o torcedor, parte importante demais nesse primeiro momento. As parcerias têm essa dificuldade de fidelização, o torcedor não se identifica com o clube terceirizado. Vejo o Cruzeiro no caminho certo”, comentou.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://www.hojeemdia.com.br/esportes/dirigente-do-cruzeiro-explica-escolha-por-gest%C3%A3o-direta-no-futebol-feminino-controle-maior-1.697375

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.