Os pesquisadores lutaram por muitos anos para ter acesso aos relatórios dos ensaios clínicos, que são muitas vezes retidos sob o pretexto de confidencialidade comercial. “Todo esse sigilo custa vidas humanas”, diz Peter Gotzche, um pesquisador clínico na Cochrane e co-autor do estudo. Recentemente o EMA, depois de ter sido acusado publicamente de má gestão, liberou o acesso, mas nos EUA estes documentos continuam inacessíveis. “É profundamente antiético quando os pacientes se voluntariam para beneficiar a ciência, mas são as empresas farmacêuticas que decidem quem pode e quem não pode ter acesso aos dados brutos”, diz Gotzche. “O teste de drogas deve ser um empreendimento público.”O fato de que os antidepressivos podem causar ideação suicida já foi provado antes e, em 2004, a FDA obrigou que essas drogas tivessem uma tarja preta na caixa reservada para os alertas dos perigos mais graves. A EMA tem emitido alertas semelhantes. No entanto, ainda não há no rótulo nenhuma menção aos riscos do comportamento agressivo. Embora relatos sobre comportamento hostil estejam presentes em vários estudos de caso, o estudo BMJ foi o primeiro trabalho em grande escala que demonstrou um aumento significativo no comportamento agressivo em crianças e adolescentes. “Isto obviamente é importante no debate sobre os tiroteios em escolas [dos EUA] e em outros lugares onde os autores frequentemente estavam fazendo uso de antidepressivos”, diz Moncrieff.

Tomado em conjunto com outros estudos – incluindo aqueles que sugerem que os antidepressivos são apenas marginalmente melhores que placebos – alguns especialistas dizem que é hora de reavaliar o uso generalizado desses fármacos. “Minha opinião é que nós realmente não temos evidências suficientes de que os antidepressivos são eficazes, mas temos evidências crescentes de que eles podem ser prejudiciais”, diz Moncrieff. “Então, precisamos parar esta tendência crescente de prescrevê-los.”