quarta-feira, 23 outubro 2019
Início / Conteúdo / Comércio de BH espera faturar R$ 600 milhões até o fim do Carnaval – Primeiro Plano

Comércio de BH espera faturar R$ 600 milhões até o fim do Carnaval – Primeiro Plano

[ad_1]

Em reunião com a Belotur na manhã desta terça-feira (19), na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), empresários e representantes do comércio da capital se mostraram otimistas com o crescimento da folia, que deve receber 4,6 milhões de pessoas neste ano. 

Conforme o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, a expectativa é a de que o faturamento com as vendas chegue a R$ 600 milhões até o final da Festa de Momo, somando o período que vai do último fim de semana até o domingo pós-Carnaval. O número representa um aumento de 20% em relação ao ano passado. 

“Alguns tipos de comércio, como lojas de festas e decorações, devem abrir até mesmo durante o feriado, para aproveitar ao máximo o fluxo da cidade”, afirma Souza e Silva. Segundo ele, bares, restaurantes e hotéis também vão funcionar normalmente no período e devem aumentar o número de funcionários para dar conta da demanda. “É a época de maior movimento de pessoas na cidade, certamente haverá contratação de pessoal”, diz. 

Para Wantuir Marques, diretor do Sindicato dos Empregados do Comércio de BH e Região Metropolitana, a expectativa é a de que sejam gerados pelo menos 7 mil postos de trabalho, 2 mil a mais que em 2018. “A nossa única preocupação é em relação à formalidade dessas vagas. Os trabalhadores precisam exigir, pelo menos, um contrato de trabalho temporário, para se resguardar”, afirma ele, defendendo que a orientação é uma tentativa de evitar os famosos “calotes”, que foram comuns no ano passado. 

Aumento de vendas

Flávio Fróes, presidente da Associação dos Comerciantes do Hipercentro, espera que a região triplique as vendas, se comparado a uma semana comum. “As lojas de aviamento, vestuário, fantasias e produtos de festa já estão com um bom movimento desde o mês passado”, diz ele, que recomenda que os lojistas façam estoque dos produtos. “Quem não se preparar para esse aumento da população, que vai dobrar de tamanho, provavelmente ficará desabastecido”, diz. 

Na região, o Mercado Central deve se beneficiar bastante. Além de servir como estrutura de apoio ao folião, com bares, restaurantes e banheiros, o espaço também é ponto turístico da cidade. “Esperamos que as vendas aumentem 20% em relação a 2018. Como estamos no hipercentro, muitas pessoas passam na porta para acompanhar os blocos e acabam entrando para conhecer”, diz ele. O mercado ficará aberto das 7 às 14h durante o feriado, 1 hora a mais que o habitual. “E podemos estender até às 15h, se o movimento estiver muito bom” afirma Braga. 

Para Gilberto Castro, presidente da Belotur, a movimentação financeira durante a Festa de Momo deve render bons frutos para o ano todo. “Uma pesquisa que encomendamos da Fipe mostrou que, no ano passado, cada 1 real investido pela Belotur significou um impacto de 39,40 na economia da cidade”, diz. Por isso, o órgão decidiu dobrar o investimento neste ano. “Vamos injetar cerca de 13 milhões na estrutura da festa”, afirma. O valor não inclui o investimentos da SLU, BHTrans, Guarda Municipal, Saúde e Fiscalização, que só poderão ser mensurados após o fim da folia. 

Shoppings 

Mais preparados neste ano, os shoppings também esperam alavancar as vendas. Luciana Starling, superintendente do Shopping Cidade, diz que no ano passado os lojistas foram pegos de surpresa, mas agora a preparação começou bem antes da data oficial. “Já estamos nos organizamos junto com a Belotur e a CDL, para que sejamos parte da estrutura do carnaval e possamos receber o folião, que é o nosso cliente, com a estrutura adequada e as lojas funcionando”, afirma ela, que já notou um aumento de 12% no fluxo de clientes e espera que as vendas cresçam 40% até o fim do Carnaval. 

Lívia Paulucci, superintendente do DiamondMall, acredita que o setor de alimentação é o que mais deve se beneficiar, mas as lojas de vestuário também estão aproveitando a folia e lançando coleções temáticas. “Temos agora a moda bloquinho e as vitrines já estão decoradas com os temas da festa”, afirma. Para atrair foliões, o shopping também vai oferecer eventos com foco nas crianças, como oficinas de fantasias e de marchinhas. “Além disso, estamos reforçando o efetivo de limpeza e segurança para dar conta da demanda”, conclui.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://www.hojeemdia.com.br/primeiro-plano/com%C3%A9rcio-de-bh-espera-faturar-r-600-milh%C3%B5es-at%C3%A9-o-fim-do-carnaval-1.694990

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.