quarta-feira, 23 outubro 2019
Início / Capa / Com 3,8 milhões de foliões, Carnaval de BH superou expectativa

Com 3,8 milhões de foliões, Carnaval de BH superou expectativa

Com 3,8 milhões de foliões, Carnaval de BH superou expectativa

Os dados da festa foram divulgados na manhã desta segunda-feira (19) durante coletiva de imprensa com o prefeito Alexandre Kalil (PHS)

Além do público recorde de 3,8 milhões de pessoas, 26% a mais do que no ano passado, o Carnaval de Belo Horizonte foi melhor avaliado em 2018: a festa recebeu nota 8,3 dos moradores da cidade e agradou ainda mais os turistas, que atribuíram 8,6 à folia – 89% deles querem voltar em 2019. Os números são resultado de uma pesquisa realizada com 1.600 foliões entre os dias 9 e 14 de fevereiro e foram apresentados nesta segunda-feira (19) pela prefeitura, que afirmou que o maior desafio para o próximo ano é superar a satisfação do público, sem, no entanto, detalhar o que pode ser melhorado.

A prefeitura destacou vários pontos que contribuíram com o aumento das avaliações dos belo-horizontinos e visitantes que, no ano passado, deram notas 8,1 e 8,3 à festa, respectivamente. Entre os avanços, está a ampliação dos atendimentos de saúde, que totalizaram 628 nos dois Postos Médicos Avançados criados especialmente para a folia, 75% a mais do que no ano passado.

Nos quesitos trânsito e transporte, a prefeitura reconheceu que quem usou carro e ônibus durante o Carnaval gastou mais tempo que o normal e que alguns coletivos acabaram errando o itinerário, mas, no geral, avaliou a operação como “bem-sucedida”. Nos quatro dias de folia, 3,9 milhões de pessoas usaram ônibus para se deslocar pela cidade e mais de 1 milhão de passageiros utilizaram o metrô.

A Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) instalou 800 contêineres por dia nos locais de maior concentração de pessoas e trabalhou na conscientização dos foliões e na limpeza das ruas antes, durante e depois dos desfiles dos blocos. Cerca de 1.500 toneladas de lixo foram recolhidas. “Lixeiras, a gente avaliou que não faltou. A questão é que, durante o percurso, as pessoas se aglomeram e fica às vezes difícil sair do meio do bloco para ir à lixeira”, pontuou a diretora de operações da SLU, Andréa Fróes. Para facilitar o acesso dos foliões às lixeiras, a prefeitura avalia desenvolver, no próximo ano, um sistema em que garis usem lutocares – carros de mão para coleta de lixo – no meio dos desfiles.

A festa gerou receita de R$ 641 milhões na cidade no período avaliado, mas a estimativa da prefeitura é que o valor chegue a R$ 1 bilhão. O prefeito Alexandre Kalil (PHS) falou sobre os banheiros químicos, alvo de foliões que reclamaram da falta e da má distribuição dos equipamentos. “Se 14 mil foram poucos, 30 mil serão poucos para o próximo Carnaval. Não esperem crescimento de apenas 20%, porque, felizmente, o Brasil vai migrar para o segundo melhor Carnaval de rua do país”, afirmou, referindo-se a uma pesquisa do Google que elegeu a capital mineira como palco da segunda melhor festa do país. “Em 2019 nós vamos passar para o primeiro Carnaval do Brasil”, completou Kalil.

O presidente da Belotur, Aluizer Malab, disse que a descentralização da festa é um caminho para superar o nível de satisfação dos foliões no próximo ano. “Nós vamos ter que revisitar todos os itens, todas as áreas, todos os órgãos, ouvir mais e avançar neste Carnaval. Acho que o desafio, com um nível de satisfação tão alto, é manter e superar”, pontuou. Com informações do O Tempo.

Veja também...

Ministério Público deflagra operação contra desvio de quase R$ 3 milhões da Câmara Municipal de Sete Lagoas

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Polícia Civil deflagraram, na manhã desta …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.