sexta-feira, 22 novembro 2019
Início / Conteúdo / ‘Colega’ pede expulsão de Aécio Neves do PSDB – Primeiro Plano

‘Colega’ pede expulsão de Aécio Neves do PSDB – Primeiro Plano

[ad_1]

Os desdobramentos da Operação Ross, da Polícia Federal, que cumpriu nesta quinta-feira (20) mandados de busca e apreensão em endereços ligados à família do senador mineiro Aécio Neves, podem aumentar a pressão para saída do tucano do PSDB. Nesta quinta-feira, o deputado federal Wherles Fernandes da Rocha (PSDB-AC) protocolou na Executiva Nacional do partido uma representação, com pedido de expulsão, contra o parlamentar, eleito em outubro deputado federal por Minas. O pedido, segundo o site do jornal “Estado de S.Paulo”, estava pronto antes mesmo da segunda fase da operação policial. 

Vice-governador eleito do Acre, Major Rocha, como é conhecido, alega quebra de decoro parlamentar por parte do senador mineiro. O documento foi endereçado ao presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, e deve seguir para o Conselho de Ética.

Há dez dias, o ex-presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), também não poupou críticas ao mineiro. “Aécio já prejudicou demais o PSDB. Se essa história de mesada for verdade, é muito, muito grave”, disse à época, se referindo à suposta propina de R$ 50 mil mensais paga a Aécio pela JBS por meio da rádio Arco Íris, de propriedade da família dele.

“Ferida aberta”

Em entrevista à “Folha do Acre”, o autor do pedido de expulsão alega que Aécio está envolvido em inúmeros escândalos, o que causa constrangimento aos tucanos. “Não adianta falar de corrupção se dentro do partido temos essa ferida aberta”, disse Major Rocha. Segundo ele, outros casos de expulsão estão sendo avaliados pelo partido.

A assessoria do senador mineiro informou na noite desta quinta-feira que Aécio Neves não vai se manifestar sobre a representação. Ninguém da Executiva Nacional do PSDB foi encontrado para comentar o assunto. 

Operação Ross

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira a segunda fase da operação Ross, desdobramento da “Lava Jato”, que investiga Aécio por suposto esquema de corrupção e lavagem de dinheiro. O objetivo é apurar se houve recebimento de vantagens indevidas por parte do senador, solicitadas ao grupo J&F, de Joesley Batista, entre 2014 e 2017.

Os policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão de documentos em endereços em Belo Horizonte ligados ao tucano. Foram alvos da ação a casa da mãe de Aécio, Inês Maria Toletino Neves Cunha, no Sion, o apartamento do primo dele, Frederico Pacheco de Medeiros, no mesmo bairro, e a sede de uma empresa que já pertenceu a Andréa Neves, irmã e braço-direito do tucano. 

Frederico foi flagrado em vídeos recebendo uma mala de dinheiro, que seria de um suposto pagamento por parte da JBS, no ano passado. 

Os mandados foram expedidos pelo ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF). A autorização atendeu à solicitação da PF. Em 11 de dezembro, o apartamento de Aécio e da irmã já haviam sido vasculhados. 

Segundo a denúncia, Aécio, que é investigado em outros nove inquéritos no STF, liderou uma suposta organização criminosa para tentar vencer as eleições de 2014 e teria recebido ao menos R$ 110 milhões em propina do grupo J&F.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), em troca dos recursos financeiros, Aécio teria prometido favorecimento em um eventual governo presidencial.

Outro lado

Em relação à segunda fase da Operação Ross, a defesa do senador Aécio Neves (PSDB) disse nesta quinta-feira que recebeu com “surpresa e indignação” a notícia de busca na residência da mãe do senador, Inês Maria Neves Cunha, “seja pela completa desnecessidade e descabimento da medida, seja pela total desvinculação de sua mãe com os fatos apurados”.

Em nota à imprensa, o advogado Alberto Toron disse que a busca teria sido motivada por uma “denúncia anônima” de que o imóvel teria recebido caixas com documentos no dia da operação Ross e que esse relato é mentiroso. “É lamentável que a intimidade de uma senhora seja afrontada dessa forma, sem que haja nada que justifique”, protestou Toron.

Toron ressaltou que Aécio Neves sempre esteve à disposição de todas as autoridades e que o senador é o maior interessado na elucidação dos fatos. 

Disse ainda que o político aguarda a finalização célere das investigações para que fique provado que as acusações são falsas.

 

 

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://www.hojeemdia.com.br/primeiro-plano/colega-pede-expuls%C3%A3o-de-a%C3%A9cio-neves-do-psdb-1.680935

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.