domingo, 13 outubro 2019
Início / Conteúdo / Bolsonaro recebe Guaidó em meio a divergências sobre papel do Brasil na crise | Atualidade

Bolsonaro recebe Guaidó em meio a divergências sobre papel do Brasil na crise | Atualidade

[ad_1]

O venezuelano Juan Guaidó, reconhecido por mais de 50 países como presidente interino do seu país, inicia visita ao Brasil na noite desta quarta-feira. Guaidó chega a Brasília, que já começa a se esvaziar às vésperas do Carnaval, em uma aeronave das Forças Aéreas da Colômbia. Na capital brasileira, não terá uma recepção de chefe de Estado, apesar de o Governo de Jair Bolsonaro (PSL) o reconhecer como o presidente encarregado da Venezuela. Em sua agenda, em princípio, há apenas um encontro oficial com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e uma visita de cortesia ao presidente Bolsonaro. Ele quer agradecer o esforço que o Brasil tem feito para tentar retirar Nicolás Maduro do poder na Venezuela. Está prevista ainda um encontro com diplomatas de países que declararam apoio a Guaidó.

De acordo com fontes do Itamaraty, no encontro com Bolsonaro, o presidente Guaidó poderá discutir estratégias para retornar a Caracas, de onde ele saiu rumo à Colômbia na última sexta-feira para liderar uma operação para entregar ajuda humanitária aos venezuelanos —um movimento que acabou frustrado, incluindo sua etapa na fronteira de Roraima com a Venezuela. Como estava proibido pela Justiça de Maduro de deixar seu país, agora seus apoiadores debatem como ele poderá voltar apesar das ameaças de prisão por parte de autoridades e de ameaças a ele e sua família.

O venezuelano desembarca na capital brasileira em meio a um debate, inclusive dentro do Governo, mas também na cúpula de outros Poderes, sobre o papel brasileiro na crise do país vizinho, que mantém o bloqueio na fronteira brasileira. O vice presidente, Hamilton Mourão, que viajou a Bogotá para discutir a crise no âmbito do Grupo de Lima, tem usado um tom mais cauteloso do que o chanceler Ernesto Araújo, um trumpista convicto. Na Colômbia, Mourão não escondeu que a operação humanitária deveria ter sido “mais pacífica” e tem insistido que é necessário criar canais de comunicação com o alto comando militar da Venezuela.

O presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que chegou a ser consultado por Bolsonaro sobre os passos a seguir sobre a Venezuela, tem sido um crítico aberto à atuação do Brasil. Maia disse, por exemplo, que o envio de ajuda humanitária para a Venezuela era um “fracasso previsível”, porque Maduro ainda tem o controle de todo o território e das Forças Armadas. Na avaliação de Maia, o Brasil poderia estar sendo usado como pretexto para que os Estados Unidos decidissem pela intervenção militar na Venezuela, já que as 200 toneladas de insumos enviadas ao país não chegaram como deveriam chegar.

Questionado sobre o que mais o Brasil poderia fazer para tentar retirar Maduro do Governo, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta quarta-feira que apenas os trâmites burocráticos estão em jogo. “A diplomacia é uma das artes que exige mais paciência, das artes que conduzem o Estado. O Brasil utilizará os meios diplomáticos para conseguir o seu intento”, disse.

Carnaval esvazia Brasília

Guaidó visita uma cidade que começa a ficar esvaziada. Congressistas aproveitaram a véspera de Carnaval e vários já deixaram a cidade, nem mesmo políticos antichavistas abriram suas agendas para receber o presidente interino. Geralmente, quando um chefe de Estado chega a Brasília, é recebido por representantes de todos os Poderes. De acordo com as assessorias das presidências da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal, o venezuelano não tentou agendar audiências com os representantes do Legislativo ou Judiciário.

O Brasil é, depois dos Estados Unidos e da Colômbia, um dos países que mais intensamente apoiam os esforços de Guaidó e da oposição venezuelana para expelir o chavismo do poder. O Governo de Bolsonaro se somou desde o primeiro momento ao reconhecimento diplomático de Guaidó e foi muito ativo na defesa da democratização da Venezuela e da saída do líder chavista Nicolás Maduro. O Governo Bolsonaro, entretanto, adotou um perfil discreto na frustrada tentativa promovida por Guaidó de levar alimentos e material sanitário pelas fronteiras no fim de semana passado, a título de ajuda humanitária. A participação nessa iniciativa foi muito mais modesta que a da Colômbia e dos Estados Unidos, que forneceram a maior parte do material enviado às fronteiras. Entre os fatores que puderam influenciar na discrição brasileira está o fato de Roraima, onde fica a única passagem fronteira dos 2.100 quilômetros de fronteira comum, receber da Venezuela dois terços da eletricidade que consome.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/27/actualidad/1551294322_355849.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.