quinta-feira, 17 outubro 2019
Início / Conteúdo / “As pessoas são apenas um invólucro com micróbios” | Ciência

“As pessoas são apenas um invólucro com micróbios” | Ciência

[ad_1]

“Se você se acha uma pessoa muito importante, lembre-se que a maior parte dos seus genes pertence a micróbios. E a maioria das funções de seu corpo é realizada por micróbios. Somos apenas um invólucro.” Yasmine Belkaid sorri enquanto reflete sobre o que é realmente um ser humano. Uma pessoa está composta por 30 trilhões de células humanas, sendo 84% delas glóbulos vermelhos, encarregados de transportar o oxigênio pelo sangue. Mas “não estamos sozinhos”, como salienta Belkaid. Em um corpo humano há também pelo menos 39 trilhões de micróbios. A proporção é de 1,3 células microbianas para cada célula humana. “Estamos colonizados por tudo aquilo que nos ensinaram a ter medo: bactérias, vírus, arqueas, protozoários, fungos”, enumera. Até os nossos olhos estão cobertos por uma multidão de micróbios.

Belkaid sabe do que fala. Dirige o Programa de Microbioma do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos EUA, dedicado a entender as interações entre os 30 trilhões de células humanas e os 39 trilhões de micróbios. É uma tarefa descomunal. Uma pessoa tem seu genoma, o DNA de suas próprias células. Mas também abriga um segundo genoma: o microbioma, o DNA de todos os micro-organismos que vivem no seu interior. A equipe de Belkaid demonstrou que os micróbios da pele e dos intestinos desempenham um papel crucial para controlar as defesas de um ser humano. Na pele, por exemplo, as bactérias benéficas se aliam ao sistema imunológico para acelerar a cura das feridas. A vida de uma pessoa depende dos sinais que seus inquilinos microscópicos enviam.

O caminho de Belkaid até o ápice da ciência mundial não foi muito intuitivo. Nasceu em Argel, a capital de Argélia, em 1968. Lá estudou Bioquímica na Universidade Houari Boumediene. Em 1995, fazia doutorado no Instituto Pasteur de Paris quando terroristas islâmicos mataram o seu pai numa praça de Argel. Era Aboubakr Belkaid, um ex-ministro socialista comprometido com a democracia e a modernização do seu país. No dia seguinte, o jornal Liberté estampou um título que cobria toda a página: “Por quê?”.

Os micróbios dos intestinos são capazes de aumentar ou reduzir a eficácia de alguns tratamentos contra o câncer

Belkaid, apesar de tudo, guarda uma grande lembrança de seu país natal. “A Argélia onde cresci era, na minha opinião, uma sociedade bastante positiva para as mulheres. Na universidade, muitos professores eram mulheres. E também havia um grande número de médicas. Acho que a Argélia da minha infância foi, em muitos aspectos, mais avançada que o que encontrei em outros países nos últimos anos. Acho que conheci mais professoras na Argélia que nos EUA”, afirma a cientista, que participou em Madri de um congresso organizado pelo Centro Nacional de Pesquisas Oncológicas (CNIO), com apoio da Fundação La Caixa.

Em 2013, a pesquisadora foi coautora de uma importante descoberta: os micróbios dos intestinos são capazes de aumentar ou reduzir a eficácia de alguns modernos tratamentos contra o câncer, baseados numa imunoterapia que estimula as defesas naturais do organismo. Agora, um dos objetivos de Belkaid é aprender a regular esse complexo equilíbrio entre a dieta, os micróbios e as defesas do corpo humano.

“Em 10 ou 20 anos seremos capazes de manipular os micróbios”, afirma Belkaid

“O que sabemos com certeza, e não há discussão, é que a flora microbiana é absolutamente necessária para o sistema imunológico”, explica Belkaid. “A flora, não só no intestino, e sim na pele ou nos pulmões, é essencial para que o sistema imunológico se desenvolva e funcione. O que ainda não sabemos em humanos é de quais micróbios vamos necessitar em diferentes cenários”, acrescenta.

A pesquisadora, entretanto, é otimista. “Em 10 ou 20 anos seremos capazes de manipular os micróbios. E isto poderá ser possível acrescentando novos micro-organismos ou com mudanças nutricionais”, vaticina. Belkaid, porém, aconselha a não criar falsas esperanças e muito menos confiar nos charlatães que prometem dietas anticâncer. “São muito perigosos. Não deveriam se aproveitar das desgraças das pessoas para vender produtos cuja eficácia não foi demonstrada.”

A imunologista argelina sabe que derruba preconceitos. Seu currículo está cheio de publicações nas melhores revista científicas do mundo, como Nature e Science. “Para mim é muito emocionante transmitir uma imagem diferente na Argélia, mas também nos EUA, onde vivo agora e onde as pessoas com uma origem muçulmana claramente não são muito bem vistas.”

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/21/ciencia/1534872891_089675.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.