segunda-feira, 14 outubro 2019
Início / Conteúdo / Após quatro séculos, pesquisadores descobrem causa da morte de Caravaggio | Cultura

Após quatro séculos, pesquisadores descobrem causa da morte de Caravaggio | Cultura

[ad_1]

Os historiadores precisarão reescrever as frases finais da biografia do grande pintor barroco Michelangelo Merisi, mais conhecido como Caravaggio (1571-1610). Um novo estudo realizado por um prestigioso centro hospitalar e universitário, o Instituto IHU Méditerranée Infection de Marselha, conduzido por sete cientistas franceses e italianos e publicado nesta semana pela revista Lancet Infectious, demonstra que o artista italiano não morreu de sífilis, como se acreditou durante quatro séculos, e sim por uma infecção que contraiu durante uma briga na qual foi ferido com uma espada. Conhecido por seu temperamento fogoso, que lhe custou vários exílios na vida, o pintor faleceria poucos dias depois numa pequena localidade da Toscana, aos 39 anos.

O segredo estava na sua arcada dentária. A equipe de pesquisadores examinou a polpa de seus molares, caninos e incisivos, onde abundam os vasos sanguíneos, para descobrir a causa real de sua morte. “Isso permitiu detectar os micróbios que o organismo do pintor continha no momento da sua morte”, disse na terça-feira um dos autores do estudo, Michel Drancourt, professor de microbiologia médica. A partir dessa amostra extraída de seus dentes, foi examinada, em primeiro lugar, a presença de sífilis, malária ou brucelose, que eram algumas das hipóteses mais habituais sobre a morte do pintor. “Mas todos os exames deram negativo. Foi ao utilizar métodos mais amplos de análise do DNA que começamos a obter as pistas que nos levaram a esta conclusão”, acrescenta Didier Raoult, diretor desse instituto marselhês especializado na chamada paleomicrobiologia. “Utilizamos técnicas próprias da polícia científica para resolver mistérios do passado”, resume. Neste caso, o assassino era o Staphylococcus aureus, uma bactéria.

Antes de fazer a análise, foi preciso encontrar o esqueleto de Michelangelo Merisi da Caravaggio. Uma equipe dirigida pelo microbiólogo italiano Giuseppe Cornaglia conseguiu localizá-lo num cemitério de Porto Ercole, a localidade da Toscana onde morreu após fugir de Nápoles. Essa equipe fez uma triagem dos restos mortais encontrados, selecionando apenas os esqueletos correspondentes a um homem de 1,65 metro de altura e idade entre 35 e 40 anos no momento de sua morte. Encontraram nove ao todo, mas só um deles datava do século XVII, segundo o exame de carbono-14. “Uma comparação genética com os habitantes de Porto Ercole que têm o mesmo sobrenome que Caravaggio [Merisi ou Merisio] permitiu confirmar que se tratava, com altíssima probabilidade, do esqueleto do pintor”, conta Drancourt.

A análise de cadáveres de outros séculos não é só uma curiosidade. Ela permite entender melhor as epidemias do presente, porque “observar o que aconteceu no passado nos pode ajudar a combater o que acontece hoje em lugares como Madagascar”, segundo Drancourt, numa referência ao recente surto de peste bubônica e pneumônica na ilha africana. “Na verdade, não temos um gosto específico pelos personagens históricos. Em 98% dos casos, os estudos são feitos com os corpos de pessoas anônimas”, afirma o especialista.

A nova hipótese sobre a morte do artista não entusiasma muito Pierre Curie, grande especialista em pintura italiana do século XVII e conservador do Museu Jacquemart-André de Paris, que nesta quinta-feira inaugura uma exposição que inclui 10 obras de Caravaggio procedentes dos maiores museus italianos. “É fruto de um fetichismo que não contribui muito nem para a glória do artista nem para a história da arte. Acho insalubre ficar procurando esqueletos em cemitérios”, disse Curie, partidário de deixar os cadáveres em paz, embora não acredite que as investigações sobre o pintor tendam a acabar. “Haverá outras no futuro, porque não sabemos grande coisa sobre sua vida. Caravaggio é um personagem que nos escapa. E talvez seja melhor assim, porque isso nos permite projetar o que quisermos na obra desse grande pintor”. Sua lenda tem, a partir desta quarta-feira, um final diferente.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/19/cultura/1537356575_463991.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.