quinta-feira, 14 novembro 2019
Início / Conteúdo / Apartamento de Kassab é alvo de busca e apreensão pela PF | Brasil

Apartamento de Kassab é alvo de busca e apreensão pela PF | Brasil

[ad_1]

Agentes da Polícia Federal foram às ruas nesta quarta-feira, 19, em São Paulo e no Rio Grande do Norte para cumprir oito mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em investigação contra o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, por suspeita de recebimento de propina entre 2010 e 2016.

Um carro da PF estacionou no início da manhã em frente ao prédio de Kassab em São Paulo para cumprir um dos mandados de busca e apreensão. Ao portal de notícias G1, o ministro disse que está em Brasília à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos.

“Ao longo de todos esses anos de vida pública não há nada que me comprometa no campo da imoralidade. Estou tranquilo porque sempre respeitei os princípios da ética. Estou à disposição do Ministério Público e do Poder Judiciário. Não há nada que macule minha imagem”, afirmou Kassab ao G1 por telefone.

A PF, que por regra não identifica os alvos das operações, disse que a ação tem como objetivo investigar o recebimento de vantagens indevidas por parte de um ex-prefeito de São Paulo atualmente exercendo o cargo de ministro.

Kassab é presidente licenciado do PSD e foi prefeito da capital paulista de 2006 a 2013. Ele também atuou como ministro das Cidades durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), antes de assumir o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do governo Michel Temer (MDB). O ministro já foi anunciado como futuro chefe da Casa Civil do governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB).

Segundo a PF, as vantagens ilegais recebidas teriam sido solicitadas a um “grande grupo empresarial do ramo dos frigoríficos”, que teria efetuado o pagamento em troca da defesa dos interesses do grupo, bem como para direcionar o apoio político na campanha presidencial de 2014.

Parte dos recursos também teria sido encaminhada para a campanha de um candidato ao Governo do Rio Grande do Norte e a um deputado federal, ambos eleitos, de acordo com a PF.

“Suspeita-se que os valores eram recebidos por empresas, através da simulação de serviços que não foram efetivamente prestados e para os quais foram emitidas notas fiscais falsas”, disse a PF, acrescentando que são investigados os crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica eleitoral.

*Com informação da Reuters

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/19/politica/1545215204_028928.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.