quarta-feira, 18 setembro 2019
Início / Conteúdo / Tucano Beto Richa é preso pela segunda vez em seis meses | Brasil

Tucano Beto Richa é preso pela segunda vez em seis meses | Brasil

[ad_1]

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso preventivamente nesta sexta-feira, em Curitiba, durante a 58ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com o juiz Paulo Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba, Richa teria tentado influenciar os depoimentos de testemunhas para que não o implicassem em um esquema criminoso. Ele é investigado por corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro. O ex-governador já havia sido detido em setembro de 2018, durante a Operação Radio Patrulha, que investigava pagamento de propinas para a construção de rodovias e outras obras viárias no Estado, sendo solto quatro dias depois por ordem de Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

O Ministério Público Federal alega que Richa recebeu mais de 2,7 milhões de reais em propinas pagas por concessionárias de pedágios no Paraná. Parte do dinheiro teria sido posteriormente lavado em negociatas com imóveis e empresas de administração de bens. “Há evidências de que parte do dinheiro [142.000 reais] foi lavada mediante depósitos feitos diretamente em favor da empresa Ocaporã Administradora de Bens, que, embora estivesse formalmente em nome de Fernanda Richa, esposa do ex-governador, e de seus filhos, na realidade era controlada por Beto Richa”, afirmou o MPF.

Em nota, a defesa do tucano afirmou que os fatos que conduziram à prisão do ex-Governador são antigos (…) sobre eles, todos os esclarecimentos foram por ele devidamente esclarecidos, não restando qualquer dúvida quanto à regularidade de todas as condutas praticadas, no exercício de suas funções”. O texto diz ainda que “a prisão requerida pelo Ministério Público Federal afronta o quanto decidido pelo Supremo Tribunal Federal, com o evidente objetivo de desrespeitar os julgamentos proferidos pela Suprema Corte, sobre o tema”. E conclui dizendo que “a prisão se baseia em fatos absolutamente requentados, carentes de qualquer comprovação e sobre os quais o Supremo Tribunal Federal já decidiu, no sentido de que os mesmos não justificam a decretação de prisão”.

Em seu despacho, o juiz Ribeiro afirma que “ficou comprovado o empenho dos investigados em influir na prova a ser produzida, destacando episódio de turbação/obstrução da investigação”. Segundo a investigação, Richa teria orientado o contador Dirceu Pupo Ferreira – que também foi preso nesta sexta-feira – a tentar convencer “uma testemunha a alterar a verdade sobre fatos da investigação acerca do patrimônio da família Richa”.

Pupo também agia como intermediador em algumas operações feitas com o dinheiro supostamente fruto de propina para ocultar sua origem. Ele teria pedido a um corretor de imóveis envolvido nas operações de lavagem que, caso fosse chamado para depor nas investigações, não mencionasse pagamentos em dinheiro feitos por fora nas negociações. Ainda de acordo com o MPF, “para ocultar a origem ilícita dos recursos, Ferreira solicitava que os vendedores lavrassem escrituras públicas de compra e venda por um valor abaixo do realmente pactuado entre as partes”. A diferença entre o valor da escritura e aquele acordado entre as partes era pago em espécie, “de forma oculta, com propinas”.

A defesa da empresa Ocaporã afirmou em nota que “empresa não é, nem nunca foi, administrada formal ou informalmente por Carlos Alberto Richa. Não há qualquer fato que ligue a empresa ou seus sócios a qualquer fato ilícito sob investigação”.

[ad_2]
Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/25/politica/1548423558_838460.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Brasil continuará incomodando países concorrentes no agronegócio, diz ministra – Economia

[ad_1] A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.