quinta-feira, 21 fevereiro 2019
Início / Conteúdo / Atos antissemitas aumentam 74% em um ano na França | Internacional

Atos antissemitas aumentam 74% em um ano na França | Internacional


O antissemitismo aumenta na França. O vandalismo, os insultos, as ameaças e as agressões contra os judeus cresceram 74% em 2018, segundo dados oficiais. A divulgação dos dados coincide com a descoberta, dias atrás, de várias pichações e da profanação nos subúrbios de Paris do memorial em homenagem a Ilan Halimi, um jovem judeu sequestrado e torturado até a morte em 2006.

Ao novo antissemitismo da última década e meia, associado ao avanço do islamismo entre a população francesa de origem árabe e muçulmana, soma-se agora, segundo alguns especialistas, um ressurgimento do velho antissemitismo entre grupos de extrema direita e uma parte do movimento dos coletes amarelos.

“O antissemitismo se expande como um veneno, como o fel”, disse na segunda-feira o ministro do Interior, Christophe Castaner. Ele visitou o memorial de Halimi em Sainte-Geneviève-des-Bois, ao sul de Paris. Alguém havia cortado e danificado as árvores que configuram o monumento.

O ministro informou que o número de atos antissemitas saltou de 311 para 541 entre 2017 e 2018. A cifra fica longe do máximo registrado em 2004, com 974 atos, mas continua sendo muito superior à de 1999, com 82 incidentes. Alguns historiadores apontam a coincidência da onda antissemita que começou no ano seguinte com a Segunda Intifada palestina e com a expansão do islamismo radical na França que se seguiu. Esse antissemitismo se expressa tanto em pequenos atos de ódio cotidiano – um insulto na rua, uma pichação numa sinagoga – como em gestos de enorme violência, como a matança de três crianças numa escola judaica de Toulouse em 2012. Nos últimos 10 anos, 60.000 judeus franceses emigraram para Israel, segundo o cálculo citado pelo historiador Marc Knobel, do Conselho Representativo das Instituições Judaicas na França.

A novidade, no último ano, é “o ressurgimento de uma extrema direita identitária virulenta, que não hesita em passar à ação”, declarou Frédéric Potier, chefe pela Delegação Interministerial para a Luta contra o Racismo, o Antissemitismo e a Homofobia, ao jornal Le Monde. Esse novo antissemitismo se conecta a uma tradição muito arraigada na ultradireita francesa desde o final do século XIX, porém menos visível em anos recentes. A irrupção dos coletes amarelos “contribui para o aumento das cifras nas últimas semanas do ano”, acrescentou Potier.

No fim de semana passado, além da profanação do monumento a Halimi, apareceram em Paris pichações antissemitas, como a palavra Juden (judeus, em alemão) diante uma loja de bagels, e de uma suástica sobre retratos de Simone Veil, sobrevivente de Auschwitz, pintados em paredes nas ruas.


Click aqui e acesse o artigo original
https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/12/internacional/1550005194_270745.html#?ref=rss&format=simple&link=link

Veja também...

Bolsonaro: reforma é necessária para garantir aposentadoria no futuro – Primeiro Plano

O presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento à nação, em cadeia de rádio e televisão, …

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: